20 março 2007

Empresa bananeira americana multada por crimes paramilitares

Adital - A empresa Chiquita Brands Internacional foi condenada por realizar pagamentos a grupos paramilitares, com a concordância de diretores da empresa em Cincinnati, no estado americano de Ohio. A multinacional tem plantações na zona de Urabá, perto da fronteira com o Panamá. Essa região foi, nos anos 90, uma das mais atingidas por massacres de camponeses, por estes grupos paramilitares de direita. A maioria dos casos de torturas e massacres aconteceram porque os camponeses eram considerados aliados ou simpatizantes de grupos guerrilheiros.

A antiga multinacional e dez executivos não identificados e empregados pagaram dois milhões de dólares em cheques e dinheiro de 1997 a 2004 a uma "violenta organização de extrema direita" chamadas de Autodefesas Unidas de Colômbia (AUD) ou as Forças de Autodefesa de Colômbia, segundo o Departamento de Justiça de investigações criminais da corte federal.

Por este grave delito de colaboração com uma organização terrorista, divulgado por primera vez somente por meios alternativos de informação, a empresa Chiquita chegou a um acordo com o Departamento de Justiça, em que terá que pagar durante os próximos cinco anos uma multa de 25 milhões de dólares, mais juros. A multinacional norteamericana pagará a multa ao governo dos Estados Unidos, disse um porta-voz da empresa multinacional bananeira Chiquita Brand. Mas, dois delegados das Nações Unidas (ONU) na Colômbia concordam que os 25 milhões de dólares da multa deveriam ser destinados às vítimas do conflito armado interno.
E, obviamente, para a mídia corporativa, os terroristas da Colômbia são as Farc.

2 comentários:

gnorante disse...

É totalmente descabido esta multa ficar com os estados unidos. Devem atender a solicitação da ONU e mandar a bolada para o povo colombiano.

Scheissmann disse...

isso lembra muito o livro megacorp, onde uma empresa contrata grupos paramilitares para atacar propriedades da concorrente em um "pais em desenvolvimento".