30 março 2008

Defesa racional de um vegetarianismo moderado

Tenho visto cada vez mais notícias de um aumento global do preço dos alimentos, como exemplo recente: High Rice Cost Creating Fear do NYT, ou em sua tradução para os com UOL Preço em ascensão do arroz provoca temor de distúrbios na Ásia.

No caso do arroz o consumo já é maior que a produção há alguns anos, o que reduziu as reservas de segurança do grão. Os preços começaram a subir, países reduziram a quantidade exportada do produto para garantir o abastecimento interno, o que faz os preços subirem mais, prejudicando os importadores que precisarão de uma maior porcentagem do PIB para comida se conseguirem encontrar quem venda. Saem prejudicados os países mais pobres, já sendo reportados conflitos por comida em alguns da África.

Este movimento não é exclusividade do arroz, ocorrendo para outros tipos de grãos. São apontadas algumas causas, além de fatores climáticos e pragas habituais, temos a produção de bio-combustíveis e o aumento do consumo provocado pela ascensão social na China, Índia entre outros. A questão dos bio-combustíveis já tinha sido apontada pelo Fidel Castro algum tempo atrás, ao destinar terras ou grãos para a produção de álcool temos menos grãos para alimentação. Este fator só pode ser contornado pela descoberta de novas fontes energéticas, que não podemos contar como certo, ou na redução do consumo, mas não quero focar a discussão nisto por ser um tópico corriqueiro.

A ascensão social na China, Índia e outros países em desenvolvimento, permitiu um grande incremento no consumo. Certo, mas estas pessoas não comiam antes? Sim, mas agora comem mais carne. A quantidade de alimento dado para uma vaca, é capaz de alimentar mais pessoas do que a própria vaca. Isto ocorre pois a vaca cresceu, andou, cagou e gastou energia para fazer tudo isto, sendo comida fornecerá apenas 10% da energia que seria fornecida por tudo que ela comeu em vida. Ou seja, podemos alimentar 10 pessoas ou apenas 1 com a mesma área de plantio. Talvez com técnicas de confinamento do rebanho esta porcentagem melhore, mas sempre haverá uma perda considerável.

Em termos de biologia, ao comer mato ao invés de carne, descemos um nível trófico na cadeia alimentar. Quanto mais baixo o nível trófico maior a quantidade de energia. Se quisermos alimentar todo mundo do planeta com carne vai ser bom arrumar alguns planetas a mais, ou podemos já derrubar a floresta amazônica para plantar ração bovina. A alternativa racional seria não comer carne, ou praticar um vegetarianismo moderado, apenas reduzindo a quantidade de carne consumida.

Infelizmente os vegetarianos que existem tentam nos convencer com argumentos do tipo "coitadinha da vaquinha", eu prefiro este: coitadinha da criança que morre de fome. Para aumentar o apelo, tomo emprestado uma imagem do blog Cambalache.

14 comentários:

Elton disse...

É o melhor argumento pelo vegetarianismo que vi até agora. Mesmo assim, não sou do tipo que toma atidtudes isolados. Se estou disposto a parar de comer carne para que haja comida para todos isto não quer dizer que estou disposto a fazer o mesmo para garantir que os gringos comam bigmacs a preços módicos.
Sobre o crescimento do consumo de carne na índia, acho que já lhe contei que um grupo de brasileiros abriu a primeira churrascaria rodízio da India, não contei?

fortes disse...

tava querendo postar algo assim tb, agora q o ru ta tendo cardapio vegetariano fica mais facil reduzir a quantidade de carne consumida. esse papo de coitada da vaquinha realmente nao rola, afinal, se nao devemos comer os animais, pq eles sao feitos de carne?

gnorante disse...

Elton, concordo que este tipo de decisão isoladamente tem efeito nulo ou diferente do esperado, como gringos comendo bigmac mais barato. Aliás, a conseqüência de uma atitude destas por parte significativa da população resultaria em uma queda geral do preço de alimentos, sejam eles bigmacs, pringles ou arroz. Quanto ao mais provável, a atitude sendo praticada por parte insignificante da população, bem, vou tentar ao menos fazer minha parte. Também não falei em parar de comer carne, diminuir já estaria bom.

Lembro de vc contando da churrascaria rodízio na índia, que suponho servir carne vermelha. Interessante comparar com o mcdonnald´s que adaptou o cardápio ao país. A cultura gaúcha é servir carne vermelha no espeto, a estadunidense é se prostituir a gosto do fregues em nome do dinheiro.

Fortes, também achei massa o RU ter uma opção vegetariana, até em respeito por aqueles que se convencem pelo argumento da vaquinha, que como vc disse, pode ser destruído pelo simples fato dos animais serem feitos de carne.

Ota disse...

conheço essa foto...
então, o argumento do coitada da vaquinha eu acho meio complicado mas existem argumentos nessa linha mais efetivos como por exemplo a forma com que se produz carne industrialmente, trato de animais e essas coisas. a algum tempo atras fiz um post "vegetariano" no meu blog seguindo mais ou menos isso...mas é um argumento ainda bem subjetivo. esse seu post é bem mais objetivo e com argumentos mais práticos. fico me perguntando se algum vegetariano tipo coitada da vaquinha o aceitaria!!!
hehehehe

sobre o comentário do elton (aff..elton é sacanagem hehehe)...acredito que é a mesma coisa que o voto!

bom..é isso...

até

heliopaz disse...

Teu post é bem pertinente. Sem entrar na profundidade argumentativa que tu usas mas utilizando uma técnica muito mais contundente, sugiro que procures os posts sobre o tema no excelente blog AGENTE 65

http://agente65.blogspot.com/

[]'s,
Hélio
http://heliopaz.wordpress.com/

gnorante disse...

Ota, os argumentos quanto aos métodos de produção podem funcionar para os dois lados, sementes transgênicas e agro-tóxicos por exemplo. Cola o link para o seu post ai.

Hélio, carne afetar a fertilidade parece bem contundente, mas só se aplica a mulheres grávidas. Claro que ele também cita a incidência de doenças coronárias na fronteira gaúcha. Tem algum outro post para recomendar?

heliopaz disse...

Gnorante,

Não tenho outros links. Contudo, a moça que estava ao lado da Mãe no hospital em 2007 tinha um talho gigantesco na barriga.

Tiveram que extrair 50% do fígado dela por causa de uma bactéria contida na carne mal assada e mal cozida de ovelhas.

A moléstia ocorre com certa freqüência na fronteira com o Uruguai e com a Argentina.

[]'s,
Hélio

Daniel Nérso disse...

Concordo plenamente, mas acho foda, a não ser q haja uma propagação em cadeia dessa idéia, não faz sentido comer menos carne. Acho q esse é o meu argumento para todas as atitudes sociais como economizar água, não pegar saquinhos plásticos em supermercado, etc...
Vc podia por no final algo do tipo, mande 7 blogueiros postar do mesmo assunto e vc conhecerá o amor da sua vida, caso contrário ficará 7 anos sem sexo!
Vou postar sobre o mesmo assunto no meu blog.

Daniel Nérso disse...

ah, to linkando seu blog no meu, percebi q não tinha feito isso antes!

fortes disse...

o problema eh q se vc pensar assim nao faz nada...

Daniel Nérso disse...

Fortes, mas qual a diferença entre fazer nada e fazer algo que não fará a mínima diferença? A única q consigo pensar é a de ficar com a consciência limpa, mas acho bem hipócrita isso.

fortes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
fortes disse...

a diferenca é gigantesca, já que qualquer coisa é melhor q nada. hipocrisia maior é vc agir sem saber direito o pq só para mostrar pras pessoas o quanto vc é legal...

Daniel Nérso disse...

"já que qualquer coisa é melhor q nada"

vc acha q sozinho parando de comer carne, vai matar a fome de alguém? ou deixando de dar descarga, vai fazer alguma diferença na economia de água no mundo? se vc acredita nisso, comece a tomar homeopatia então!

"hipocrisia maior é vc agir sem saber direito o pq só para mostrar pras pessoas o quanto vc é legal..."

isso é ser tonto e vou fingir q não foi uma critica direcionada